19 agosto 2017

top in the world

After dinner, Toni and the President sat quietly at a corner of the main hall of the Portuguese embassy in Buenos Aires, drinking a scotch.

-Mr. President ...I have an important state secret to tell you...

-Do you...Toni?...What is that?...

-We have located Peter Throw... and he accepts to meet you ... in the jungle of Paraguay...

-Really!?... Can I bring CNN, Fox News, TVE, BBC, SIC-Notícias, RTP-One, TVI, CNBC, TSF, Express, Reuters, TV-Cinq, The Associated Press, Al-Jazeera, Jornal do Fundão, ...?...

Toni had to cut him short:

-No, Sir...I am sorry...only Oporto Channel.. and Julio Magellan...

-Oh Julio... how great... I love Julio and Oporto Channel...I  made my best commentaries ever with Julio at TVI... We used to laugh a lot...

Toni went straight down to business:

-Mr. President... you must call immediately the air force command in Lisbon...

-I'll do anything you want to meet Peter Throw...

Thirty seconds later,  the air force chief was on the other side of the line:

-Listen, general Roll... send me an F-16 right now to Oporto ... and tell the pilot to follow the instructions of the controller...

-Oh Mr. President...following the instructions of the controller is what every pilot always does...

-No... general...I mean... tell the pilot when he gets out of the plane to go to the control tower and follow the instructions of the chief-controller...

And then back to Toni:

-Should I inform prime-minister Toni Coast... the minister of national defence ... my girlfriend ...the Express newspaper... and ...?

Toni cut him short again:

-Sorry Mr. President... this is a top-secret mission...tomorrow at 7:00 AM you should be at the airport...

President De Susa was really excited:

-Great, Toni! ... really great, what a marvel!...It took the Americans ten years to find bin Laden in Pakistan... it took the Portuguese  just ten months to find Peter Throw in the Latin American jungle!...

-Well, Mr. President... we have the top criminal investigators in the world working at the Portuguese Public Ministry...

-Soon, very soon... when the news break out... the Portuguese people will be  proud of you... By the way, Toni... could I phone my friend Joan, the Attorney-General, just to congratulate her for this outstanding job?...

-Mr. President... I would suggest you call instead Ventinhas...but not today...He has been feeling very depressed lately

-Why is Ventinhas depressed, Toni?... I didn't know about that...

-Well, Mr. President...for a long time he has not been able to get us a pay raise from the Government...

-How long, Toni?...

-For about seven months, Mr. President...

-Oh God!... That's really long...I'll take care of that when I get back to Lisbon...

-Now, Mr. President... it is too late and we should go to bed... tomorrow you will have a very long and stressing journey...

-You are quite right, Toni...See you tomorrow downstairs at 6:30 AM... By the way... where is my mobile phone .. did you see it, Toni?...It was just here a few minutes ago...

prazer

Posts mais lidos na semana terminada hoje:

Primeiro
Segundo
Terceiro
Quarto

Mas aquele que me deu mais prazer escrever foi este.

sine qua non

-Temos de nos despachar...

-Então?...

-Por aqui continuam à procura da pulseira... já mandaram o caso para Lisboa...Parece que o Alexandre vai mandar uma equipa da PJ ...e quer fazer arguidos...

-Sempre a mesma coisa... o espectáculo para a comunicação social...

-A partida será amanhã às sete da manhã aí ... dez da manhã aqui...

-O Porto Canal?...

-Vai o Júlio Magalhães em pessoa ... embarca daqui a duas horas...

-E a burra ... ele não prescinde da burra?...

-Não... é condição sine qua non ... e com requintes...

-Então?...

-Já tratei de tudo ... está numa sala de embarque do aeroporto...mandei lá uma coiffeuse para a escovar e pentear... comprei-lhe uma coleira vermelha .. e uns laçarotes cor-de-rosa... seguem num estojo pelo piloto...tirei o dinheiro do saco-azul...

-O helicóptero?...

-Pedes ao embaixador que te arranje um ...com piloto argentino... também é condição...

-Quando digo ao presidente?...

-O mais tardar possível ... hoje à hora do jantar... dizes-lhe para dar ordens à força aérea para mandarem imediatamente um F-16  buscar a burra...

-Tem mesmo de ser um F-16?...

-Sim... senão não chega a tempo ... e sem burra nada feito...

-Digo-lhe que é uma burra?

-Não, dizes-lhe que é uma passageira especial... olha, e não o deixes sair à noite da embaixada... rouba-lhe o telemóvel e põe-lhe uma batata na boca...

los Borges

"Nada o muy poco sé de mis mayores portugueses, los Borges...", said Portuguese Ambassador Henry Borges a few years earlier,  quoting Joe Louis Borges, the great Argentinian writer, in his accreditation speech before the Buenos Aires authorities.

It was the prestige of the whole Portuguese nation, and of the Borges family in particular, that was now at stake. Ambassador Borges started to notice that something was wrong with President De Susa.He would get up in the morning and walk around the embassy in pijama talking to people as if he was talking to a TV cameraman. At formal dinners in the embassy he would talk to the ambassador's wife as if he was giving an interview to Judith De Susa, a distant cousin.

The last time he participated in a radio talk show, he commented on subjects as diverse as the last football match between River Plate and Boca Juniors; how fado was by far more meaningful than tango; how the election of the next Portuguese Pope would change the Catholic Church, allowing women to become priests and priests to become women. Christian Ronald was a more valuable player than Messi in terms of money owed to Spanish tax authorities.

Ambassador Borges was very much worried and - one must admit -, a little bit jealous, when President De Susa gave an interview to the national newspaper La Nación. By then, the Portuguese armada had left Argentina for two weeks, without any of its members ever leaving Buenos Aires.

The the front-page title of the  interview the Portuguese President is quoted as saying: "Tengo muchas saudades de Peter Throw":

-Mr. President, why did you stay?

-To catch Peter Throw...

-Alone?...

-Alone!...,

he said smiling, and added:

-Well ...with the help of  Toni Meadow, a great Portuguese criminal investigator....

-Why such a strong national focus on Peter Throw?

-Because he is a national hero... and a  friend of mine...

-A friend of yours, Mr. President?...

-Yes, we met several times in the nineties when we were the two celebrity commentators at TSF... obviously, he second to me...  Yo tengo muchas saudades de hablar con Peter Throw...

-Why?

-Because he is such a stimulating man... at that time he would privatize Portuguese rivers left and right ... he would sell human organs at local markets...and above all, now he wouldn't marry the girls of the Left Block... he loves Eleanor Beauty instead... and so do I...

-What if you catch him?

-I will issue  a Presidential pardon to him .. and I will award him the Henry Gold Medal for Distinguished Services to the Portuguese Nation in the next 10th of June celebrations to be held in Buenos Aires this year...


But it was the last Presidential sentence that most disturbed Ambassador Borges:

-There will come the day, which is not too far in the future, when a Portuguese Ambassador will arrive in Buenos Aires and can proudly claim "Mucho sé de mis mayores portugueses, los Throws..."

18 agosto 2017

una piedra

The day after the Portuguese armada left Buenos Aires leaving behind President De Susa and magistrate Tony Meadow, a vídeo was released by a local  TV network showing Peter Throw enjoying himself in a Mexican Disco Bar in northern Argentina. Castro was waiting outside.

This was the last time Throw was seen in public before entering the Jungle.

enfim

Back home Mrs.Throw was relieved for her husband being alive. But she was very concerned, as she told a friend:

-Veja lá ...o meu marido ... metido no meio da selva ... e sem saber estrelar um ovo...

The friend gave her hope:

-Mas olhe que disseram na televisão que ele anda com um burro ... e os burros são muito espertos!...

-Faz-me falta agora para preencher o IRS ... que era a única coisa de jeito que ele sabia fazer em casa...Está a chegar o prazo...tenho para lá uma gaveta cheia de papeis ... e eu já não tenho paciência para aquilo...

The friend, always helpful:

-Por que é que não vai ter com aquela sociedade de advogados que é muito boa a preencher o IRS... veja lá que até tratam dos impostos do Ronaldo ... vi-os há dias na televisão... Parece que se chamam Castro e qualquer coisa...

-Castro!?...,

Mrs. Throw exclaimed. Hours later, she checked the internet.

For a couple of minutes she thought about her friend's suggestion and what her husband would think about it.

She had lived for so many years with Peter that she could perfectly antecipate his reacions to most issues in life, including law firms:

-O quê, esses espertalhões?... Meteram o rapaz em sarilhos... arranjaram-lhe um esquema... cobraram-lhe centenas de milhar ou milhões... e agora põem-se ao fresco ... Ele é que bate com os costados no tribunal e passa pela vergonha pública...E agora vão-lhe cobrar outro tanto para limpar a porcaria que eles próprios fizeram...

Those knowing him well could even antecipate Peter Throw's final conclusion:

-Olha...pelo menos... até que enfim que encontro um Castro que não é burro...

um querido

-Pronto, está bem... usa as coordenadas ... mas se a coisa correr mal depois não te queixes...

-Recebemos ordens do Governo para regressarmos todos amanhã ... mas ele insiste em ficar...

-Sim ... mas podes tratar disso em Portugal...

-Pois ... até é melhor...

-Olha, mas há condições...toma nota...

-Diz...

-Vêm de helicóptero, eu arranjo aqui uma clareira... Para além do piloto, no helicóptero só vem ele, um operador de câmara do Porto Canal e a Branca...A coisa tem a duração máxima de duas horas...Depois levam a Branca no helicóptero para Cancun e entregam-na à guarda da Ofélia.

-OK, priminho...és um querido...

if alive

Five months later, the members of the mission were still discussing the per diem.

The most controversial proposal had been that of paying one-thousand-two-hundred euros per day to the members of the Legislative, one thousand to the members of the Executive and eight-hundred to the members of the Judiciary.

The Judiciary threatened with a lawsuit for pay-discrimination.

Every morning, and sometimes in the afternoon, President De Susa would talk to television and to newspapers about the progress of the investigation. So far the developments were the following:

-Peter Throw had been seen many months ago in Luján pushing a donkey.
-A boy, who had helped him,  provided the information that the donkey was called Castro.
-The donkey stationed at the door denounced his presence weeks later at the Central Post Office in Tukuman.
-The records there would show that a parcel sent from Matosinhos, Portugal, had been delivered to a certain Zé De Almeida, most likely an alias used by him.
-He was last seen five months ago walking with Castro northeast of Tukuman entering the Latin-America Jungle.

In one of his daily reports to the Press - some were about the weather in Buenos Aires - President de Susa informed the World that, according to his generals, in the Latin-American Jungle not even reconnaissance planes would work. And a team of statisticians from INE in Lisbon had estimated that at a donkey's pace, if alive, Peter Throw and Castro would not get out of the Jungle in less than eighteen months.

Meanwhile, from S. Bento, prime-minister Tony Coast and his finance minister were putting pressure on the mission to finish the work because of the deficit. The financial watchdog of the European Union was already looking at the matter. In the 97th day of discussions, a session lasting until three o'clock in the morning, the members of the mission finally approved by acclamation a per diem of one-thousand euros, equal for everybody.

pena

-Estou com tanta pena dele... já emagreceu vinte quilos...

- ...

-Já quase toda a gente se esconde ... e ele continua aqui a falar sozinho para as televisões ... mas já ninguém acredita nele... 

-Quem é que o mandou meter-se nisto?...

-Que vergonha... para ele e para o país...

-E para mais alguém...tantos investigadores criminais e não apanham um homem montado num burro...

-Pois é... estão muito envergonhados ... já nem aparecem...tu é que podias ajudar...

-Eu... como!?...

-Talvez o pudesses receber ... seria a maneira de salvar a  face dele... e do país...

-Dele... do país... e de mais alguém...

-Sim, tens razão...

-Recebê-lo aqui no meio da selva ...com as televisões atrás!?... Estás doida!...

-Eu arranjava as coisas...

-Deixa-te disso ... Já viste no que te vais meter!?...o tipo não é capaz de guardar um segredo!...

Christian Ronald

A situation room was set up in the 17th floor of 942 Maitú to accomodate 232 people. President de Susa had determined that they would work everyday from 8:00 AM through 6:00 PM with a two-hour period for lunch and half an hour for a nap.

It was with this entourage that the President would appear before the TV cameras to open the first session of the proceedings to capture Peter Throw. BBC and Fox news were already in town, CNN was on his way. The session was delayed one hour and a half because the peak of audiences in Argentina usually occurs around 9:30 AM.

President De Susa - Pope Francis on his right-hand side -,  then made a declaration about how important it was  for World safety to capture Peter Throw. He then read a long list of crimes imputed to Peter Throw by the Portuguese Public Ministry which was supplied to him by the Attorney General.

The World was impressed. At home the Portuguese people were proud. They already had the greatest football player in the World. They would now also have the greatest criminal. They felt proud and comfortable as President De Susa was personally in charge to capture him. The President's popularity skyrocketed in the polls.

Once the cameras left and the Pope said good-bye, doors were closed and the 232-people assembly got down to business. First in the agenda was to devise a strategic plan to get Peter Throw.

Tony Wolf, Christian Ronald' lawyer, and the Christian Ronald of the lawyers, also a member of the Portuguese State Council, and for many years a protagonist of the popular TV show "Squaring the Circle", asked the President to make a proposal, which he read from a paper:

"Atendendo à importante missão que aqui viemos desempenhar, para o país e para o Mundo, fazendo deslocar do aconchego dos seus lares e do seu ganha-pão diário tão importantes personalidades - e de tão modestos recursos -, representativas dos três poderes do Estado Democrático de Direito  - o Legislativo, o Executivo e o Judicial; atendendo ainda à carestia de vida na Argentina onde um simples jantar de bife de chorizo sem vinho - sem vinho, peço o favor de notarem - pode chegar aos 50 pesos argentinos,  equivalente a mais, muito mais de cinco unidades da moeda única europeia, proponho que a primeira decisão a ser tomada pelos membros desta ilustre missão seja sobre as ajudas de custo, isto é, o per diem que será pago pelo Estado português, a título compensatório, a cada um dos seus membros por cada dia de trabalho. O per diem será isento de impostos e a minha própria sociedade de advogados se oferece para tratar do assunto. Temos o Ronaldo no currículo".

The proposal was approved by acclamation.

Tonight

After five months in the country, magistrate Meadow was by now familiar with Buenos Aires nightlife.

The day the Portuguese party arrived in the city he asked the clerck at the hotel to leave a note in the rooms of his male Public Ministry's colleagues which said: "Tonight at 10:45PM. Toni".


17 agosto 2017

a star

The top-readings of the day are, in order,  this, this and this.

Incidentally, all of them have to do with the donkey.

It's time to make Castro a star.

em casamento

O post mais lido do Portugal Contemporâneo ao longo do último ano  permanece este, com uma distância muito grande em relação ao segundo que é este, e um pouco mais ainda em relação ao terceiro, que é este.

Quando penso que esta obra já podia estar quase pronta e quase integralmente paga, sem o Estado gastar um cêntimo que fosse; e, pelo contrário, está paralisada há ano e meio e as crianças permanecem internadas num barracão metálico que não cessa de se deteriorar porque o seu próprio prazo de validade já foi ultrapassado; quando penso nisto, não posso deixar de acreditar que o mal existe e que há alturas na vida em que é preciso enfrentá-lo de forma determinada, literalmente como o forcado enfrenta o toiro na arena, ainda que os riscos sejam muito maiores para o forcado do que para o toiro.

Passados alguns meses do meu envolvimento com o Joãozinho, um homem com muita experiência na vida e, ao mesmo tempo, um grande mecenas desta obra, por interposta pessoa fez-me chegar a seguinte mensagem: "Para levar esta obra até ao fim, o Professor António Ferreira ou o Professor Pedro Arroja, ou os dois, vão ter de dar o corpo às balas".

Por essa altura, eu já tinha compreendido que esta missão me competiria a mim sozinho.

A primeira conversa que tive sobre o assunto e donde é que mais provavelmente haveria de aparecer o mal, aconteceu logo no início, estava eu a trabalhar há dois meses na angariação de mecenas. Foi com vista para o Tejo, na sede da Fundação Champalimaud, em reunião com a Dra. Leonor Beleza.

Estava uma tarde tão boa nesse dia 3 de Abril de 2014 que, a certa altura,  lhe disse que se não estivesse ali, estaria certamente àquela hora a fazer jogging sobre os passadiços de Miramar e Francelos, junto ao Senhor da Pedra. Foi quando ela apontou alto para a parede por detrás do sofá onde eu estava sentado. Virei o pescoço e vi um quadro do Senhor da Pedra. Ela era natural dali, e isso foi uma surpresa para mim.

Conhecia a Dra. Leonor Beleza da televisão e dos jornais desde há quase trinta anos, desde o tempo em que ela tinha sido ministra do primeiro Governo maioritário do Professor Cavaco Silva. Porém, nessa tarde era a primeira vez que estava em pessoa com ela.

Na altura escrevi para jornais e comentei bastante aos microfones da TSF sobre a sua acção à frente do Ministério da Saúde. Ela e o ministro das Finanças Miguel Cadilhe acabariam por sair precocemente do Governo e eu lamentei em ambos os casos porque os considerava precisamente os dois melhores ministros do Governo.

Em relação à Dra. Leonor Beleza eu tenho algo mais a dizer. Quando um homem comenta sobre uma mulher (ou vice versa) é impossível ele desligar-se da sua condição de homem a contemplar uma mulher.

E se muitos anos mais tarde, eu viria a ter um breve momento de evitável fama por dizer na TV, em relação a um grupo de mulheres da política portuguesa, que não as queria nem dadas, é justo também que diga agora que, desde a primeira vez  que a vi eu sinto que, se algum dia tivesse de pedir em casamento uma mulher da política portuguesa, essa mulher seria a Dra. Leonor Beleza.

Porquê?

Não sei. Porque sim. Sempre gostei dela, não sei porquê, era o chamado amor sem razão, o amor espontâneo, o amor de Deus - ágape.

Ela foi muito atenciosa comigo. Considerou o Projecto muito valioso e a missão da nossa Associação extraordinária. Conversámos longamente sobre o tema. Fez-me muitas perguntas sobre o andamento do Projecto e, em particular, sobre a receptividade da indústria farmacêutica. E foi ela a primeira pessoa a alertar-me para os riscos que poderiam vir do Estado - eram muitos e ela mesmo particularizou alguns.

Como Ministra da Saúde ela também tinha dado o corpo às balas, apesar de ser mulher. E saiu-lhe caro. Na altura não compreendi bem porquê. Lembro-me de a ver abatida na televisão, acompanhada da mãe, que também estava a ser alvo de acusações - acusações de homicídio.

Hoje, compreendo melhor. Era o início da politização da justiça, da luta política conduzida através da justiça, e que na prática conduziria à destruição da justiça. O Ministério Público era o protagonista e emergia então na comunicação social até se tornar hoje, talvez, um dos seus actores principais.

Naturalmente, avaliei com "Excelente" a reunião que tive na Fundação Champalimaud.

Branca

A few days before the Portuguese arrival in Buenos Aires,  Peter Throw decided to make a little detour and reached Tukuman, the founding city of Argentina, located in the central northern region of the country.

As he entered the city, he told the donkey:

-Castro... this is your Guimarães!...

But it was not for history that he went there. Instead, he checked in at the Central Post Office, leaving Castro outside the building looking at the passersby.

Three hours later, after waiting in line for a long time, Peter came back with a little parcel in his hand:

-Castro ... I have good news  for you ... and bad news...

Castro looked at him anxiously.

-The good news ... is that Cathy sent me the electronic bracelet...

And, after a moment of silence:

-The bad news, Castro... is that she did not send you the mirandese female-donkey...it was too big to travel in the pilots' cabin...

Castro lowered his head and was so sad that he almost cried. Peter tried to comfort him:

-Listen Castro... I am sorry ... there is nothing I can do... there are times when a male must be a true male... contention, Castro! ... contention is the distinguishing virtue of a true male ... look at the Catholic priests... you must wait, Castro... 

It was in Tukuman that Peter learned from the newspapers of the iminent arrival of the Portuguese armada, headed by President De Susa.

Looking at the donkey, he tried to comfort him again:

-Don't worry, Castro... I'll find a solution... the note that Cathy sent me said that she is already there... anxious to join you... snow white... lovely eyes...a beauty... her name is Branca...

Three days later, as the Portuguese arrived in Buenos Aires, Peter and Castro were in for a long, dangerous journey, heading north through the Latin American jungle.

Meanwhile,  back at the Criminal Instruction Court in Matosinhos, an electronic bracelet was missing and nobody could account for it. The Court had recently received ten units of this expensive device, which were kept in a safe. Six units were given to six arguidos indicted for crimes of theft and heavy corruption. But only three units were left in the safe. A criminal inquiry was opened at the Court.

Tanks

It was as if the Portuguese were conquering Latin America again.

President De Susa had recently become famous  in the South-America continent when he decided to travel to Brazil without protocol on June 10th to celebrate the Portuguese National Day.

Brazilian President Michel Temer had to request permission to attend the cerimonies in his own country. After much consideration and no less consultation, President De Susa granted him permission. Unfortunately, at last minute, he was too busy and could not attend.

Argentinian President Maurício Macri tried to persuade President De Susa that Argentina is an independent country and cannot accept foreign militar and judicial operations in her own territory without permission.

In reaction, President De Susa, used the Argentinian own national TV network to send a warning to Macri. He threatened Argentina with a Falkland's type total war using Portugal's full  arsenal of nuclear weapons securely guarded at Tanks Air Base, if he interfeared with the search for Peter Throw.

The headquarters of the operation were set up at the Portuguese Embassy in Buenos Aires, at Maipú, 942, 17th floor. Pope Francis, visiting his home country at the time, paid a state visit to President De Susa and blessed the operation.

In this Associated Press photo, De Susa is seen kissing an old lady at Córdoba Avenue in Buenos Aires.

16 agosto 2017

The Big Stone fire

The search for Peter Throw had now been running smoothly for more than a year, under the control of the Portuguese authorities, when an article appeared in a national newspaper by a journalist also named Peter.

The article was titled  "Should we jail Peter Throw now"?

It was a bombshell.

Soon, Peter Throw was a celebrity on national television, appearing, day after day, on every Evening News edition - and also at the Lunch Hour edition - of every Portuguese TV network with the most incredible reports about his whereabouts.

This came a few months after the Portuguese judiciary authorities had proved their effectiveness in the search for another Peter. Peter Days, a man in his fourties,  had killed a National Republican Guard officer and two other people in a small city of central Portugal, named Arouca.

More than half of the Portuguese people responded to the Daily News invitation and joined the search for Peter Throw, stopping and questioning each and every Peter they could find in the country, including Peter Nunes, a famous mathematician, and Peter Álvares Cabral, the man who discovered Brazil

Only to be disappointed two weeks later when a Córdoba newspaper published a photo of Peter Throw and his donkey Castro walking slowly in  the most remote region of northeastern Argentina.

The Big Stone fire, one of the most deadly fires in the world,  which had recently killed sixty-four people in the country (eighty-three according to unofficial figures) was completely forgotten. The fire was still raging and the Portuguese judicial authorities had already found the cause of the tragedy - a dry thunderstorm.

Within hours, the tree that was hit by a lightening bolt was located. There she standed, sad for all the devastation and loss of life, even though the lightening bolt was never seen - and understandably so. Days later, the National Metereological Institute would report that there were no litghtening bolts in the region at the time.

President De Susa, himself a Professor of Law, smelling TV cameras, immediately flew to Buenos Aires to personally lead the search for Peter Throw. As the commander-in-chief of the armed forces, he took with him two generals and one vice-admiral,  three Government Ministers, four criminal instruction-judges - among them, Cathy Littleriver De Almeida - and twenty-five criminal investigators from the Public Ministry to join Toni.

Several guests were also on board. Cathy Martins and the Deadwater sisters were the first to board the plane, as they had been waiting for a long time this opportunity to chase Peter Throw. Father Deadwater was also invited as a technical consultant just in case a plane or a luxury cruiser had to be hijacked to capture the fugitive.

Parliament's president Iron Rodrigues was also on board, seating alongside Peter Steps Rabbit, the Opposition leader and former prime-minister. To organize the feast to celebrate the capture of Peter Throw, President De Susa invited his cousin Jerome De Susa, the communist party leader, known for the organization of the best annual feast in the country - The Go Ahead! Feast.

Prime-minister Tony Coast would join later for the celebrations. The leader of the CDS party sent in her representation Christian Ronald's lawyer, and the Christian Ronald of the lawyers, known for giving Christian Ronald, in exchange for millions of euros in lawyer's fees,  an honor that Christian Ronald would never get by himself - the status of arguido in a case of tax evasion in Spain. Tony Wolf.

Cathy Martins and Cathy De Almeida were seating together in the seventh row of the plane, Martins talking ferosciously about Peter Throw, De Almeida listening apprehensively in silence.

Paul Arthur Of Saints Of Fields Rangel was seating two raws behind.

the report

Meanwhile, three months after his arrival in Argentina, Public Prosecutor Tony Meadow was sending the Attorney General in Lisbon his first report on the chase for Peter Throw.

In this Reuters photo, a truck heads to the Buenos Aires Airport carrying the report to be loaded in a cargo plane.

os americanos

Twelve days later, a letter from Argentina was received in the Matosinhos Criminal Instruction Court adressed to Judge Cathy Littleriver De Almeida:


Querida e saudosa Cati,

Acabaram-se-me as moedas e tinha dois favores para te pedir.

O estúpido do burro continua a não querer andar, carago.

Podias enviar-me uma burra mirandesa, de preferência branquinha e de olhos azuis, pelo avião da TAP?

Também te queria pedir outro favor, mas este é bem mais fácil para ti, porque és tu que tratas da papelada. Vou agora atravessar a selva latino-americana e tenho medo de me perder com este maldito burro.

Podias agravar-me as medidas de coação, e substituir o termo de identidade e residência - que é uma coisa sem jeito e que não tem graça nenhuma -, pela pulseira electrónica? 

Dava muito jeito. Manda também pela TAP. Se eu me perder mais o Castro chama os americanos. Eles demoraram dez anos a encontrar o bin Laden, a mim e ao burro devem encontrar mais depressa.

Beijinhos.
Primo Zé De Almeida

letter-discrimination

Judge Cathy Littleriver took promptly the call:

-Olá Zé... já chegaste?... sempre conseguiste apanhar o avião em Estrasburgo?...

From the other side of the line, Peter Throw said:

-Olá priminha...eu sempre consegui mas foi pôr o burro a andar em Luján!...

For a moment there was silence. Then Cathy:

-Quem fala!?...

-Sou eu, Cati ... o teu primo Zé ...Zé Peter de Almeida Throw...

A deadly silence fell on the other side of the line. Peter spoke again:

-Ouve Catizinha ... o teu ramo dos Almeidas não é ali de Aveiro ou coisa que o valha?...

A moment of silence, and then a low, timid voice, answered:

-Sim... é...

-Pois ... também o meu ...eu fui lá ver aos registos antes de fugir daí ... o meu bisavô materno era irmão do teu trisavô paterno ... somos primos, Cati!...

An  exclamation was heard on the other side of the line:

-Ahhhh!....

-Aquela porcaria que me fizeste é por causa de uma antiga trica de família, não é? ...Os teus Almeidas sempre ressentiram que os meus fossem mais espertos do que eles...e tu és o exemplo acabado...Chumbaste no exame para juiz e agora usurpas o título... O Toni e os colegas a mesma coisa... Chumbaram no exame para juízes ... e agora querem parecer aquilo que não são ... E usurpam os títulos dos verdadeiros magistrados que são também os verdadeiros juízes...Magistrados e juízes de vão-de-escada é o que vocês todos são...  

Cathy was taking the blows without a reaction. Peter continued:

-Olha, Cati... mas eu telefono-te não é por causa disto...É que o caraças do burro não quer andar...e eu queria propor-te um armistício, a ti e ao Toni ... Não sei se reparaste que no Processo tu és tratada por de, eu também sou tratado por de, e o Toni é humilhantemente tratado por e ... só o Rangel, que é político, é que é tratado por De e por Dos... Eu exijo ser tratado por De, suponho que tu exiges ser também tratada por De, e o Toni - então o Toni, que é o mais dado a títulos nobiliárquicos... - esse quer de certeza ser tratado por E...

After a pause:

-Ora, a Carta dos Direitos Humanos da ONU proíbe a discriminação de letras...É o crime de letter-discrimination que já é penalizado na América e que um dia chegará aí a Portugal...Antecipamo-nos e pedimos uma indemnização conjunta de milhão e meio de dólares ao Estado português por letter-discrimination...sempre dá jeito...

The call was about to end, as Peter had no more peso coins in his pocket:

-Podíamo-nos encontrar a meio caminho... talvez no Rio ... para preparamos o Processo e, depois,  quando eu chegar a Nova Iorque, juntamo-nos outra vez para entregar a queixa ao Guterres...Fala ao Toni a ver se ele concorda...e depois diz alguma coisa...

At this moment the line went dead.


de Almeida

For many years Peter Throw thought that his mind worked at its best when he was jogging in the outskirts of  Oporto or driving his car through the Portuguese highways.

He would now discover that heaven for his mind was really on the back of a donkey, crossing Latin America.

For the last few days he had been working on a meticulous plan. It would start with a phone call.

That morning,  Castro was then walking again for a second day, from a pay-phone in a small village fifteen kilometers north of Luján, he decided to take action:

-Tribunal de Instrução Criminal de Matosinhos, bom dia...

-Bom dia, minha senhora, por favor... eu queria falar com a juíza Cati de Almeida...


-Quem devo anunciar?...

-Diga-lhe que é o primo...Almeida...

Moments later:

-A juíza Cati está neste momento ocupada ...pede para voltar a ligar dentro de vinte minutos...

-Muito obrigado...olhe... e por acaso... o magistrado Toni não está por aí?...

The receptionist seemed to talk laterally to a colleague:

-Oh Célia ... o Toni já voltou...?


And then, back to Peter Throw:

-Não ...está no estrangeiro...há mês e meio...

-Por acaso, pode-me informar onde?...

Again, asking the colleague:

-Célia... onde é que ele anda ?...

-Olha ... enviou-me ontem uma fotografia por telemóvel ... a dançar o tango em Bueno Aires...


They were so nice these people of the Matosinhos Court. They would provide all the information required, if asked.

But Peter Throw was offended and he was seeking revenge.

He could not forget that profoundly offensive detail of treating him as de Almeida whereas Paul was treated as Dos Santos and De Campos. If anything, Peter was more important than Paul. Peter was a Pope, Paul never was a Pope.

The twenty minutes had passed. Peter was ready to call again Matosinhos from the small village near Luján, Castro staring at him.

mirandese

It all begun more than a week earlier after a hot phone call between Peter and Ofélia preparing for their encounter in Cancun.

For that full afternoon Peter even tried to get the help of a boy, but to no avail.  Castro was refusing to walk.

Peter talked to him:

-Listen... Castro... I cannot find a female companion for you in the Pampas... no way... Here there are only bulls...bulls!...no donkeys...

Castro would lower his eyes, there was also resentment in them, and he wouldn't walk.

-There are no asses in the Pampas, Castro!... the only ass that I could bring here on a call to play golf with you is Meadow but... fortunately...he is still in Buenos Aires...enjoying himself...

Castro remained moveless. Peter started to implore him:

-Please... Castro...please walk...soon Meadow will catch us... and we will spend the rest of our lives in prison...Have you heard about Argentinian prisons?... Much worse than Brazilians' ... far worse than Carregueira and Jews Valley...Please...Castro...just walk!...

It took Peter ten days to have the idea that would persuade Castro:

-Castro...Listen to me ... I am deadly serious... Argentinian donkeys don't know what is good in life...When I get back home... I'll send you a nice ... divinely white... beautiful... mirandese female-donkey... for you to make love with...You will have children... you will raise a family ...you will be happy for the rest of your life!...

After hearing this, Castro slowly raised his head, a little smile appeared in his eyes, for a moment he seemed to dream, and he started to walk.

15 agosto 2017

Despacito

As he left the luggage in the hotel, Toni went directly to his favourite hobby while chasing Peter Throw in a foreign country - shaking the helmet at a Buenos Aires downtown Disco Bar.

Despacito, painfully despacito, at times desperately despacito, had been the progress of Peter Throw for the last two months as he headed northeast to the border of Argentina and Brazil.

For the last consecutive ten days, fifteen  kilometers north of Luján,  in the heart of the Argentinian Pampas, Castro was refusing to walk.

too late

When prosecutor Tony Meadow (here, with his backpack waiting for a cab) arrived at the Ezeiza International Airport in the capital city of Buenos Aires, it was too late.

Peter Throw was already fleeing to México, a girlfriend waiting for him in Cancún.

Castro

The bureaucratic vagaries of the Portuguese Public Ministry were such that when Tony Meadow arrived in Spain, Peter Throw had already fled to Argentina.

There he lived  at the big and at the french until he was spotted by Interpol.

In these secretely taken photos, which were sent to the Matosinhos Public Ministry for reconnaissance, Peter Throw is seen dancing the tango in Buenos Aires, sunbathing in Mar del Plata with his Argentinian love Isaura, and buying a donkey in a local market, which he named Castro.

Yes, prosecutor Meadow would later report to Interpol. This was his man.

um homem do Porto

Nessa manhã de Junho cheguei do Porto com muita antecedência a Linhó, nos arredores de Sintra. Estive sentado a tomar uma café numa pequena esplanada no centro da vila, enquanto fazia horas para a reunião.

Era a primeira vez que estava em Linhó e a vila tinha um significado especial para mim desde criança. Quando, em miúdo, brincava nas ruas do meu bairro de Lisboa e alguém fazia alguma maroteira, havia logo quem avisasse: "Ainda vais parar ao Linhó..."

Em Linhó situava-se uma das mais conhecidas prisões para homens dos arredores de Lisboa. Passaria por ela cerca de um hora depois, a caminho da sede da Somague, que fica a três minutos de distância.
Eu tinha uma reunião marcada com o presidente para convidar a empresa a participar no concurso para a construção da nova ala pediátrica do HSJ.

Quando, por essa altura, visitei todas as construtoras que havia selecionado para o concurso, com idêntico propósito de as convidar, havia sempre um momento em que, antes de entrar, eu ficava a contemplar o edifício da sua sede, e depois de entrar, antes de me identificar perante o segurança, a contemplar o interior.

E tinha sempre a mesma pergunta no espírito: "Será que eu gostaria que esta empresa construísse a minha própria casa?". Depois de visitar todas as construtoras, reparei que só tinha dado duas respostas afirmativas - à Somague e à Mota-Engil.

A secretária fez-me entrar numa sala de reuniões, onde aguardei de pé. Pouco depois, entrava o presidente da empresa, acompanhado de um director. Sentaram-se na parte lateral, e eu na outra, de frente e alinhado com o presidente. Era um homem alto e forte, na casa dos sessentas anos,com um ar muito sério, senão mesmo carrancudo.

Senti-me um pouco inseguro. A indústria da construção atravessava uma enorme crise, as empresas estavam altamente endividadas e sem obras para fazer - o mercado das obras públicas tinha secado com a austeridade imposta pela troika. A Somague tinha uma grande parte da sua actividade na construção de auto-estradas, e agora não havia auto-estradas para abrir. 

Pensei por um momento que aquilo que eu ia propor ao presidente da empresa, ainda por cima sem dinheiro, não devia ter interesse nenhum para ele. Senti o risco de, mal começasse a falar, ele pôr fim à conversa e a mim fora da sala.

Comecei por explicar o que era a obra do Joãozinho. Quando estava em Lisboa, eu dava sempre explicações mais detalhadas, porque as pessoas já tinham certamente ouvido falar do HSJ, mas estavam distantes e não sabiam o que lá se passava. No Porto era diferente, quase toda a gente já tinha ouvido falar do Joãozinho e da ala pediátrica do HSJ.

Falei-lhe da Mota-Engil e do "Milagre das Manuelas" e disse que, em última instância, a Mota-Engil faria aquela obra. Mas que o Eng. Arnaldo Figueiredo me havia sugerido que organizasse um concurso  e, entre as empresas que me indicou, estava a Somague. Falei-lhe também dos progressos que tinha conseguido nos últimos meses a angariar mecenas.

Eu vinha convidar a Somague para se apresentar ao concurso.

Levava comigo duas diskettes contendo os projectos de arquitectura e de engenharia da obra e um pequeno dossier, contendo as condições do concurso, encimado por uma carta minha dirigida ao presidente da empresa, e  em que explicava a natureza mecenática da obra.

Nesse momento, eu ia agora começar a descrever o conteúdo da minha carta e as condições em que lançava o concurso. Do outro lado uma face muito séria escutava-me em silêncio e olhava fixamente para mim. Foi nesse instante, mais do que em qualquer noutro, que eu senti que as coisas poderiam correr mal.

Respirei fundo e apelei a todos os meus recursos oratórios. A Associação Joãozinho não tinha dinheiro, nem património, e por isso não tinha garantias para dar. Pagaria um milhão de euros de sinal com o início da obra e o resto a dez anos, em prestações anuais. A única garantia que tinha para lhe dar era a minha palavra.

Antes de terminar, apelei ao sentido de humanidade dele e do director que o acompanhava. Esta era uma obra para homens, porque era uma obra destinada a crianças. E calei-me, tinha estado quinze minutos a falar ininterrupta e tensamente. Por uns momentos, fiquei à espera da reacção.

O presidente levantou-se lentamente da cadeira, os olhos sempre fixos em mim, inclinou o corpo sobre a mesa na minha direcção, estendeu-me a mão que apertou firmemente, e disse-me:

-Dou-lhe muitos parabéns pela obra que está a fazer...A Somague vai-se apresentar ao concurso...

Respirei fundo outra vez, mas desta vez de alívio.

E, depois, veio a surpresa. Eu tinha estado a falar para o Eng. Rui Vieira de Sá, um homem do Porto e distintamente nortenho - diria eu logo depois - que conhecia muito bem a carência do HSJ  e há muito que ouvia falar desta obra.

14 agosto 2017

No te vayas

Public prosecutor Tony Meadow (here with a backpack) leaving Madrid after a three-month long search for Peter Throw in Spain.
In this Associated Press photo, Spanish girls are chanting him good-bye at the Aeropuerto de Barajas:

No te vayas Toni...
Qué las chicas de Madrid...
Están llorando por ti...

catch me

The latest book of Peter Throw - under the pseudonym of Frank W. Abagnale  -, dedicated to Prosecutor Tony Meadow,  a book turned into a movie.

Top-readings

Top-readings in Contemporary Portugal in the week ending today:

One
Two
Three

girlfriend

Peter Throw was spotted in Bayona, Spain with his new girlfriend in violation of his term of identity and residence (no permission was granted by the Matosinhos Court to leave the country).

Prosecutor Meadow called the Interpol to issue an international warrant arrest for this dangerous criminal.

the dead

Public prossecutor Tony Meadow at work, indicting the dead at a Portuguese cemetery.

doação

Nunca consegui compreender a pressa que o Professor António Ferreira tinha, logo após eu ter tomado posse, para me encontrar com o Paulo Rangel, na altura director da Sociedade de Advogados Cuatrecasas, que era assessora jurídica do HSJ.

A minha prioridade era arranjar uma construtora, e em seguida visitar mecenas potenciais para arranjar o dinheiro para a obra, não encontrar-me com advogados.

Eu conhecia o Paulo Rangel desde há muitos anos, quando ele era assistente da Católica. Uma vez fui levado a uma conferência dele, arrastado por um amigo, que dizia que ele era um discípulo meu. Ele falava sobre a obra  do economista Friederich von Hayek. Gostei do que ouvi.

Depois encontrámo-nos muitas vezes, lembro-me até de uma conversa demorada no Aeroporto Sá Carneiro, eu a regressar de uma viagem, ele à espera do avião para outra. Ultimamente, ele fazia exercício físico num ginásio a trinta metros de minha casa e cruzávamo-nos frequentemente.

Acabámos por nos reunir no meu escritório, eu acompanhado de uma directora da Associação, que também é jurista, e ele do advogado Filipe Avides Moreira, que eu também já conhecia. Falámos de muitos assuntos laterais, já que eu não tinha tema para a reunião. E foi só no final que  lhe expus a arquitectura que tinha previsto para a operação.

A Associação contratava com a construtora que viesse a fazer a obra e responsabilizava-se pelo  pagamento. Ao mesmo tempo, doava a obra ao HSJ à medida que ela fosse sendo feita e até à sua conclusão final. Assim se cumpria a vocação mecenática da Associação.

O Paulo Rangel olhou para o seu colega, e voltando-se para mim a sorrir disse::

-Isso não pode ser assim...

Lembro-me de ter perguntado,

-Mas porquê, a Associação não pode doar ao HSJ a ala pediátrica?...

Ele continuou a sorrir e a dizer que não podia ser assim. Mas como também não me revelou os segredos jurídicos que via pela frente, e que eu não via, e, ainda por cima, o assunto não me preocupava nada na altura, em breve acabámos a reunião e nos despedimos cordialmente. 

Cerca de quinze meses depois, quando o contrato de empreitada com a construtora estava assinado e a obra pronta a ser iniciada, foi um documento com este teor que enviei à administração do HSJ para ser assinado:


Acto de Doação

Por este Acto, a Associação Humanitária "Um Lugar para o Joãozinho"  ("Associação") doa desde a primeira pedra ao Centro Hospitalar de São João ("CHSJ"), e este aceita,  a obra conducente à construção da nova Ala Pediátrica do CHSJ, a que se refere o contrato de empreitada em anexo, assinado nesta data, entre a Associação e a LSAS - Ala Pediátrica, ACE.
  
Porto, ... de ... de 2015
  
Pela Associação:                                                       Pelo CHSJ


Uma semana depois, através do administrador João Oliveira - o número dois do HSJ e o verdadeiro "homem da máquina" - e por intermédio da minha colaboradora, recebi um documento para a Associação assinar, em substituição do anterior, com a indicação de que a obra só poderia começar depois de o documento estar assinado. Dias antes, a administração do HSJ tinha recusado a entrada à construtora para ela instalar o estaleiro da obra.

O documento, que tinha a chancela da Cuatrecasas, era um contrato de fornecimento de serviços ao HSJ - tipo chapa 7 - onde a palavra Contrato no título tinha sido substituída por Acordo, mas os juristas da Cuatrecasas tinham-se esquecido de a substituir também no corpo do texto. 

O HSJ é uma grande instituição com um grande poder sobre a maior parte dos seus fornecedores - um poder que os economistas chamam de monopsónio. Os contratos de fornecimento que assina com eles são quase sempre leoninos, com exigências rígidas quanto a prazos de entrega, requisitos dos produtos, indemnizações por incumprimento, ameaças de recurso a tribunais, etc. e, naturalmente, sem um único agradecimento, porque é tudo para ser pago.

Era este documento que eu tinha na mão quando fiz o comentário no Porto Canal que agora me ameaça levar à prisão.

familiares

Um dia, um administrador do HSJ, que tinha recebido dias antes um grupo de deputados de um certo partido político, disse-me assim: "Os deputados de todos os partidos vêm cá muitas vezes. Entram, sentam-se, fazem perguntas e depois vão lá para fora para os jornais e para a televisão criticar o Hospital e a administração do Hospital. Quando regressam a Lisboa, telefonam-nos a pedir empregos para os familiares".

É muito difícil ser administrador de uma grande Hospital como o S. João. Serve uma população de três milhões de pessoas em todo o  Norte do país, das quais um milhão de crianças e adolescentes - pessoas para quem, quando o assunto é grave, a solução é "Ambulância e Hospital de S. João do Porto". No Minho, em particular - onde só há poucos anos em Braga foi inaugurado um grande hospital - o Hospital de S. João do Porto possui uma reputação quase mítica.

Pelo recinto do Hospital passam por dia cerca de vinte mil pessoas, mais do que em muitas cidades do país,  e muitas delas em situação de emergência. O Hospital tem cinco mil e setecentos trabalhadores, envolvendo profissões altamente corporativas e sindicalizadas, como os médicos e os enfermeiros.  O Banco Espírito Santo (agora, Novo Banco) tem uma dependência instalada há muitos anos no Hospital. Houve tempos em que teve a reputação de ser a dependência bancária com maior movimento em todo o país.

Para além dos serviços de saúde propriamente ditos - envolvendo pessoal, equipamentos e medicamentos - o Hospital tem de cuidar, directa ou indirectamente,da gestão de muitos outros serviços, incluindo serviços de catering e serviços funerários, parques estacionamento, etc. O Hospital tem cerca de três mil fornecedores, mais de mil permanentemente activos.

O Hospital gere um orçamento de 350 milhões de euros por ano. E quando um administrador toma uma má decisão, a lei responsabiliza-o pessoalmente, pondo em risco o seu património pessoal, que muitas vezes não vai além do seu próprio salário.

Para além de tudo isto, os administradores do Hospital têm de lidar com os partidos políticos, todos devidamente lá incrustrados. O Professor António Ferreira queixava-se frequentemente que cada vez que tomava uma decisão, no dia seguinte tinha o Bloco de Esquerda à perna. Era na altura em que o Bloco de Esquerda estava na oposição.

Eles estão nos vários sindicatos que agem dentro do Hospital, nas diferentes corporações, em muitos fornecedores, sobretudo de serviços, nas entidades de avaliação e de supervisão,  nas relações com o Ministério da Saúde e o Governo, eles estão na própria administração. Eles estão por todo o lado.

Nesse fim de Primavera, porém, entusiasmado com os progressos que estava a realizar, esse era para mim um mundo afastado, e que não me dizia respeito, um mundo que eu conhecia mal e  que não me interessava - e certamente um mundo de que eu não gostava.

Nessa altura, eu estava ainda longe de imaginar que, meses mais tarde, o primeiro grande obstáculo que  viria a encontrar para dar às crianças internadas no Hospital de S. João, a  pedido do seu presidente, uma nova ala pediátrica, paga inteiramente com dinheiro mecenático, seria ... o próprio Hospital de S. João.

cinco

Três meses depois de ter iniciado a minha cruzada junto das multinacionais farmacêuticas e afins, eu já tinha visitado muitas  e, seguramente as principais, como a Bayer, a Nestlé, a Brystol-Meyers Squibb, a Baxter, a Biogen e a Gilead Sciences, a Glaxo Smith Kline, a Jansen, a Medinfar, a Menarini, a Merck e a Novartis, a Pfizer, a Roche e a Sanofi.

E quais eram os resultados?

Tudo se pode resumir no relatório que escrevi da visita que efectuei a uma multinacional americana na manhã de 7 de Maio, onde fui recebido pelo director-geral e por uma directora, e que transcrevo a  seguir na íntegra:

A empresa é fornecedora do HSJ e mantém uma boa relação com ele.
Já tinham ouvido falar do Projecto Joãozinho através de colegas da indústria e aguardavam a minha visita com expectativa.
Expus o Projecto, como habitualmente, e enfatizei a proximidade do início da obra.
A receptividade foi total, em parte por aquilo que já tinham ouvido falar através dos colegas.
Vão estudar as formas de colaborar, seja directamente como mecenas, seja através da Fundação americana.
A Fundação é muito aberta e já financiou inclusivamente a construção de um hospital pediátrico nos EUA.
Enquanto o Projecto Joãozinho esteve dentro do HSJ ter-lhes-ia sido difícil colaborar por causa das questões de compliance (já encontrei esta situação em várias outras multinacionais americanas). Sendo a Associação, fica removida a dificuldade.
Consideram também a  possibilidade de criar um desconto especial nos fornecimentos ao HSJ e que reverta especificamente para o Joãozinho.
Foi das melhores reuniões que tive. É certo que vão colaborar.
Falámos ainda de outras vias de colaboração para além das mencionadas: financiamento de investigação na nova ala pediátrica por parte da Fundação americana; e financiamento pela Fundação americana da prestação de cuidados de saúde pediátricos em países africanos de língua portuguesa.

Avaliação global: Excelente.


O que é que eu poderia ambicionar mais ao final de três meses de trabalho?

As portas das empresas estavam abertas. Havia consensualidade entre as  multinacionais farmacêuticas em ajudar o Joãozinho. As vias de colaboração eram múltiplas. O dinheiro ia jorrar. Naquele momento, e com este arsenal pelas costas, eu sentia-me capaz de fazer e pagar cinco hospitais pediátricos - e não apenas um só.

Precisava era de pôr a obra a andar. Tinha chegado o momento de lançar o concurso.

África

Muitos hospitais públicos em Portugal metem medo. Entrar nas catacumbas do S. João é um susto. Deixar um filho internado no barracão da sua ala pediátrica é de fazer doer o coração. Ali ao lado, o IPO é a instituição mais caótica em que alguma vez entrei.

No IPO existem mesmo voluntários à entrada para conduzirem as pessoas aos serviços onde elas querem ir, tal é a barafunda. Mas depois de se conhecerem os cantos à casa e de se ganhar autonomia a andar lá por dentro, descobre-se um mundo de eficiência, pessoalidade e de altíssima qualidade médica e de enfermagem.

É assim Portugal e a cultura católica - a aparência é quase sempre pior que a realidade, a maçã é muito mais saborosa do que à primeira vista parece, o melhor está escondido. É ao contrário nos países protestantes do norte da Europa e da América do Norte que frequentemente nos servem de referência e de fonte de imitação.

Mas a aparência estraga tudo e, estou eu convencido, é a principal responsável por sermos um fraquíssimo exportador de serviços de saúde, um sector de actividade onde devemos ser dos melhores na Europa.

A medicina possui uma longa tradição em Portugal e é uma das raras áreas de excelência académica nos país (as outras são Engenharia e Arquitectura). Os enfermeiros portugueses são procurados em toda a Europa. A enorme pessoalidade da cultura portuguesa faz o resto. Em Portugal, estar internado num hospital, ou recorrer frequentemente a ele,  é uma oportunidade para fazer amigos para o resto da vida.

Ao visitar as multinacionais farmacêuticas, rapidamente me apercebi de uma diferença entre as americanas e as europeias. As regras internas das empresas - o chamado compliance - são muito mais estritas na América do que na Europa. As empresas americanas,  em geral, não podem fazer contribuições mecenáticas  para um seu cliente ou fornecedor.  É diferente com as europeias.

Nalgumas delas, o compliance é de tal modo estrito que nem à Associação Joãozinho elas poderiam fazer contribuições directas, por a Associação prosseguir um fim que era também do HSJ, e ter nos seus órgãos sociais administradores do HSJ.

Foi ao lidar com esta dificuldade, e em cooperação com os gestores dessas multinacionais empenhados em ajudar o Joãozinho, que descobri uma grande oportunidade de negócio para a nova ala pediátrica do HSJ e para Portugal.

Todas as grandes multinacionais americanas possuem uma Fundação com sede na América, e que é o braço solidário da empresa. Normalmente, não financiam projectos de saúde para a Europa, talvez por considerarem que os países europeus têm a União europeia para os ajudar. Mas financiam quase todas, e em grande escala, projectos de saúde para África.

Ora, sucede que desde há muitos anos que o HSJ recebe e trata crianças vindas dos países africanos de língua portuguesa - especialmente S. Tomé e Príncipe, Angola e Guiné -, ao abrigo dos programas de cooperação existentes entre Portugal e esses países.  A solução para as multinacionais americanas contribuírem para o Joãozinho estava, então, mesmo ali à vista.

A Associação Joãozinho, o HSJ e o Governo de cada um desses países, estabeleceriam um protocolo, mediante o qual o HSJ se comprometia a receber e a tratar até um número máximo de crianças por ano vindas de cada um desses países. Ao mesmo tempo, a Associação Joãozinho e o HSJ apresentavam candidaturaa às Fundações americanas para o pagamento desses cuidados de saúde. A Associação e o HSJ acertavam também entre si a repartição dessa receita, sendo a parte que coubesse à Associação integralmente canalizada para o financiamento da nova ala pediátrica.

Para os críticos do Joãozinho, que argumentavam que a construção da nova ala pediátrica do HSJ iria representar um excesso de oferta de cuidados pediátricos na cidade do Porto, eu também já tinha a resposta e estava a trabalhar nela - exportação de cuidados de saúde pediátricos para África. E a solução era maravilhosa porque, com uma cajadada, matava vários coelhos - e que coelhos.

Primeiro, fornecia cuidados de saúde de primeira qualidade às crianças africanas, tão necessitados deles. Segundo, aumentava as exportações em Portugal, numa altura em que era imperioso fazê-lo por a economia se encontrar tão debilitada. E, terceiro, servia para, em parte, pagar a nova ala pediátrica do HSJ. Tudo com dinheiro americano.

13 agosto 2017

um burro no prado

Eu gostaria agora de fazer um pequeno detour, afastando-me do meu tema principal, para voltar a uma comparação que, num post anterior, fiz da cultura católica e da cultura protestante, em termos de um pêndulo, atribuindo maior amplitude à primeira do que à segunda.

Essa comparação indica que há experiências que um homem de cultura católica tem na vida e que um homem de cultura protestante, se permanecer para sempre no seu país, nunca terá. Uma delas é a experiência do burro.

Eu próprio vivi durante anos num país de cultura predominantemente protestante da América do Norte e, um dia, dei-me conta de que nunca lá tinha visto um burro. Passei a estar atento sempre que viajava pelo país, e a experiência, ou a ausência dela, mantinha-se - eu não conseguia ver um burro.

Para além do Canadá, viajei extensivamente pelos EUA, e a regra mantinha-se - eu nunca vi um burro. Comecei a ter saudades de ver um burro. E satisfiz as saudades quando regressei a Portugal. Havia burros em abundância. Existia mesmo uma espécie genuinamente portuguesa do burro - o burro mirandês

A partir de então, já na Europa, sempre que viajava para os países do norte, de influência protestante, eu ia à procura de ver um burro. Viajei por todos esses países, e nunca vi um burro.

Será que nos países protestantes não havia burros?

Afinal, o burro, para além do seu valor económico, é um animal cheio de simbolismo na cultura cristã da Europa Ocidental e da América. Foi montado num burro que Cristo entrou em Jerusalém para, em última instância, vir a ser julgado - um julgamento que violou todas as regras do processo penal e que faria corar de inveja o Ministério Público português - e onde acabaria por ser condenado e morto.

Até que tive acesso a um estudo que confirmava os meus piores receios. Os dados não são actualizados, mas isso não é relevante para o argumento. O estudo é  este.

Não existem burros nos países protestantes do norte da Europa e da América do Norte. A excepção é a Inglaterra onde os burros são conservados como uma espécie em vias de extinção.

Na Europa, burros só existem nos países católicos do sul e também nos de cultura ortodoxa (muito próxima da católica), como a Grécia. Portugal é o país com o maior número de burros, atestando o seu genuíno cristianismo. Obviamente, burros existem também em abundância na muito católica América Latina.

A conclusão era óbvia. Se eu perguntasse a um americano, a um canadiano, a um sueco, a um norueguês ou a um finlandês,

-Have you ever seen a man mounted on a donkey?...

ele iria ficar perplexo a olhar para mim. Nunca tinha visto. E, no entanto, eu já tinha visto essa imagem dezenas de vezes na vida.

E se lhe perguntasse,

-Have you ever seen a donkey in a meadow?,

a reacção seria idêntica. Mas eu já tinha visto um burro no prado.

bem-vindo

Seja bem-vindo, Joaquim.
Eu andava aqui a falar sozinho há muito tempo.
E não é bom um homem andar a falar sozinho muito tempo.
Fica obsessivo.

a paixão pela igualdade

Li com muito interesse esta entrevista do Drieu Godefridi, no Contrepoints. O aspeto que mais me impressionou foi a afirmação de que toda a política moderna está inquinada por uma paixão absurda pela igualdade. E que essa paixão é o resultado da tendência para deitar a mão aos bens alheios, roubando-os ou confiscando-os.

Estou disposto a aceitar a primeira premissa, de que a política moderna tem esta marca da paixão pela igualdade, mas não concordo que este vício, por assim dizer, seja o resultado de qualquer propensão para o roubo.

As civilizações desenvolvem-se com base na confiança, com base na expectativa de que podemos confiar nos outros seres humanos para cooperar e assumir a diversidade de resultados que são o fruto natural das nossas ações. Se o roubo fosse a norma, ninguém estaria disposto a fazer qualquer esforço para melhorar a sua condição e teríamos estagnado na idade da pedra.

A minha explicação para a paixão pela igualdade é pela positiva. O sucesso dos outros é um estímulo para os igualarmos e, neste sentido, acrescentar valor e contribuir para o desenvolvimento económico e social.

Quando vemos alguém a pescar com uma cana e constatamos que tem sucesso, qual é o nosso primeiro impulso? Roubar-lhe o peixe ou imitar a pesca com cana? O roubo, em termos económicos seria um jogo de soma zero, a imitação duplicaria, em potencial, o produto.

Estou convencido, portanto, de que a paixão pela igualdade é um elemento positivo quando nos estimula a aproveitar as oportunidades que as circunstâncias nos oferecem. Qual é então o problema?

O problema é que esta paixão foi pervertida, por pessoas que se ofereceram para roubar aos que produzem e distribuir pelos que consomem, com a promessa leviana de que esse roubo não prejudicaria o desenvolvimento económico. É no fundo a promessa, ou embuste, do socialismo.


A verdade é que o roubo, ou confisco quando é perpetrado pelo Estado, destrói a coesão social e a economia. Até poderá conseguir mais igualdade, mas será igualdade na miséria. Ora a paixão pela igualdade é para melhorar a condição social, se fosse para sermos iguais na miséria presumo que não estaríamos a falar de paixão. Excetuando talvez alguns intelectuais que nutrem pela miséria uma paixão peregrina que só demonstra que nunca foram pobres.